Blog do Quinca

segunda-feira, 29 de março de 2010

Algumas Coisas Não Se Explicam...







Nem tudo na vida tem explicação, como, por exemplo, o porquê da guerra santa ou da santa inquisição; o preconceito ou mesmo a discriminação; nem o terrorismo ou nem mesmo a devastação. Mas nem tudo que não se explica é ruim. Não se explica a bondade, não se explica o respeito, nem tampouco a paixão. Não se explica o AMOR... Aliás, isso sim se explica. Alguém me disse certa vez a seguinte frase: “– Tudo Deus!”. É claro que nem tudo acontece por causa ou em favor Dele, mas certamente se temos qualquer coisa nessa vida podemos dizer que é TUDO DEUS!

Há quem diga que não exista o frio e que esta palavra somente simboliza a falta de calor, então esta mesma pessoa chegou a concluir que o MAL nada mais é que a falta de Deus. Ora, se é simples esta definição, por que temos tantos problemas ainda? Qual o real significado da falta de amor? Onde está este fruto tão precioso que seria capaz de exterminar definitivamente esta palavra tão amarga, além do sentimento é claro, de nossos dicionários e de nossas almas? A resposta é tão simples quanto a própria definição. O amor continua dentro de cada ser humano, nasceu em nós. Porém não podemos, como todo bom fruto, colhê-lo antes do tempo. Além de se tornar azedo ainda perderá o sabor com facilidade. Da mesma forma não podemos esperar demais, pois quando maduro o suficiente ele nos abandona e logo nos tornaremos árvores secas. Se não desfrutamos do sabor deste fruto sagrado, as atribulações da vida nos privam deste gosto. Se ele cai não mais o recuperamos.

Agora voltemos a pensar... TUDO DEUS! Como posso nortear-me com tal definição? Se Tudo provém Dele, e é por Ele que as coisas boas acontecem, por que não abandonamos nossas impaciências ou mesmo nossa morosidade para colher este fruto que de forma irrefragável mudará a todos os seres viventes? Temos medo! Isso quando não somos egoístas o suficiente para tentar reter tudo o que produzimos para nós mesmos. Mas nos esquecemos que foi por medo que muitos pecaram, ou seja, foi pela omissão que muitos deixaram de viver. Da mesma forma foram atitudes mesquinhas que transformaram nossa vida e nosso mundo no que se encontra hoje. Se é tão simples amar, simplesmente por amar, qual motivo ainda nos prende a este “amor” patético que espera algo em troca? Qual o verdadeiro significado para tal oportunismo, além de toda essa ignorância que nos acomete no cotidiano das coisas? Talvez ainda precisássemos de mais dois mil anos para desmanchar essa máscara da mentira que nos afasta de Deus e daquilo que realmente importa, ou seja, o AMOR. Mas nossa chance já foi dada, por isso não adianta em nada esperarmos que um novo Cristo volte para nos remir dos pecados que nós escolhemos professar.

Realmente o que nos falta é a capacidade de amar na medida certa. Não é necessário forjar o amor, ele acontece naturalmente quando menos esperamos. Também não é possível viver este sentimento, que mais arde em nossos peitos como estado da alma do que como uma simples maneira de agir, sem nos entregarmos quando ele aparece, ainda que repentinamente. O mal é a Falta de Deus, sendo assim, o Mal é a falta de amor. Como pode faltar aquilo que nasce conosco? Como nos falta algo que nos foi dado antes mesmo de nossa concepção. Pois é... Nem tudo se explica...

sexta-feira, 26 de março de 2010

Poema de Quinca

  

Mais um poema escrito por mim... Ele não é novo, mas é bonitinho! Espero que vocês gostem...


ANDANÇAS DE MINHA ALMA

No compasso de um passo sem rumo, marcho.
Em momento algum o devaneio de minha alma,
Corroído pela vasta sensação de triste calma,
Abandonou esse coração por um simples facho.

Ainda que meus olhos se fechem a verdadeira luz,
Que minha boca se cale diante de um som soturno,
Ainda que minha mente se prenda a um pensar noturno,
Não me furtarei de afastar de mim este nefasto lapuz.

No compasso de um passo inquieto, eu batalho.
Os versos usados na luta são mudos, mas urram
De complacência por um desejo eloqüente. Surram...
Mas de forma pacífica eles conseguem meu Serralho.

Inerte sensação de pesar sem pós-contentamento...
Divina comédia insana e incestuosa essa minha
Que vaga entre os maus dizeres de certa rainha.
Solidão! Ainda queres arrematar esse inútil sentimento?

No compasso de um passo sem medo, me vejo
A espreitar com veemência as animosidades alheias.
A gritar por alguém me traga logo uma candeia,
E que me vele com coração sincero, mas sem pejo.


Limeira, 05 de Novembro de 2009.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Não dá pra Aguentar!!!



É muita sacanagem e pouca resolução...

                    Não sei como dizer, mas a democracia, a moralidade administrativa e o respeito ao povo deixaram de existir há muito tempo!!! É uma tremenda vergonha ser cidadão em Limeira, se bem que será difícil encontrar um lugar diferente no Brasil...

                    Como se não bastassem as besteiras que a Administração Pública Limeirense diz e faz a todo o momento, ainda é possível ver a falta de estrutura para enganar o povo!!! Humilham a população, nos chamam de idiotas e enganam a todos com seus discursos incabidos, mas não fazem questão nenhuma de esconder essa falta de comprometimento social.

                     Não temos dinheiro pra rodoviária, não temos dinheiro pra saciar a fome, pra construir casas, nem pra gerar empregos, mas se gasta milhões com projetos infrutíferos e faraônicos. Gastamos muito dinheiro com erros causados pela má gestão pública e por obras mal feitas, mas não somos capazes de resolver problemas simples como a falta de vagas nas creches, como a falta de moradias, etc...

                     Caros Senhores da Administração Pública de Limeira, enrolar o povo já se tornou costume no Brasil, mas ao menos se fazia isso às escuras, não anunciando uma Torre ridícula num dia e dizendo que não tem dinheiro no outro... Até onde iremos com essa falta de vergonha na cara???

Acorda Brasil, Acorda Limeira!!!

Veja comentários de Quinca no Jornal de Limeira On Line:

http://www.jornaldelimeira.com.br/site/noticias_detalhes.php?ID_Noticia=34335 ("Falta verba para nova rodoviária, diz Ítalo")

http://www.jornaldelimeira.com.br/site/noticias_detalhes.php?ID_Noticia=34333 ("Arquivado caso sobre bolsa à esposa de Eliseu")

quarta-feira, 24 de março de 2010

A CPMF Acabou... Foi Bom pra Você???



Na cabeça de muitos Brasileiros esse é um assunto ultrapassado, mas foi uma matéria de Marcos Cintra no portal do Terra (Confira na íntegra clicando aqui) que me chamou a atenção e me fez refletir sobre os reais efeitos dessa conquista da base oposicionista ao governo Lula.

                    Acho que uma das notícias mais comemoradas no final do ano de 2007 foi a extinção da Contribuição Provisória sobre a Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira, popularmente chamada de CPMF. Foram longos 13 anos de existência, se incluirmos nesse tempo o IPMF e o IOF, além de desconsiderarmos os períodos em que ela não produziu efeitos. A CPMF foi extinta de nosso arcabouço tributário após a infrutífera tentativa de prorrogação por parte do governo, sendo recusada no Senado Federal em Dezembro de 2007.

                    Contudo, mesmo sabendo da má administração do dinheiro público, bem como da total falta de critérios e transparência na distribuição do que se arrecadava com a CPMF, indago-me se foi mesmo a melhor decisão a ser feita. É evidente que o país arrecada muito, merecendo o posto de segundo país com maior carga tributária no mundo, principalmente quando vemos medidas contraditórias ao que se defendia em prol da continuidade da CPMF. Refiro-me às diversas isenções e diminuições tributárias assumidas pelo governo, pouco tempo após a extinção da contribuição e diante de uma crise de propoções internacionais.

                    Entretanto, eliminaram a CPMF mas liberaram 20% de toda arrecadação de tributos, constitucionalmente prevista, para aplicação sem destinação específica. Algo me parece não cheirar muito bem... É indiscutível que a carga tributária no Brasil deve ser diminuída, sendo inclusive plataforma de campanha de um Presidenciável (Que na minha opinião é só mais uma das infinitas promessas de campanha), mas será que foi essa a melhor medida? Mais de dois anos se passaram e não percebi mudanças no que estamos entregando ao governo. A CPMF, pelo menos, era de fácil contabilização e não escolhia ricos ou pobres. Era igual para todos.

                    Mas a pergunta que não quer calar é:

Será mesmo que o fim da CPMF favoreceu os Brasileiros?

                    Deixo a vocês esta pergunta como forma de reflexão, pois no dia-a-dia nos deparamos com diversas medidas que, ao primeiro olhar, nos parecem fantásticas, e até mesmo uma forma de dizer ao governo que não somos tão tontos, mas ao olharmos com uma ótica mais atenta e apurada veremos que, talvez, esta esmola foi boa demais para não desconfiarmos.

                    Acredito que a proposta apresentada por Marcos Cintra, juntamente com a proposta de redução das cargas tributárias em todas as esferas, seja realmente a melhor opção, mesmo economia não sendo meu ponto forte. No caso proposto pelo economista, é nítido que a melhor opção é a redução dos impostos aplicados às empresas, pois isso geraria mais empregos, mais negócios e melhor distribuição de renda, por outro lado aceitar uma contribuição incidente sobre tudo o que movimentamos nas instituições financeiras é desanimador, a menos que nosso país venha a ser melhor administrado, com real aplicação do dinheiro público, não em campanhas com finalidade exclusivamente eleitoreiras, mas com projetos que verdadeiramente atendam as necessidades do povo brasileiro, que hoje não tem onde morar, passa fome, morre sem atendimento médico e ainda por cima não tem onde trabalhar.

                    Pois é... Acho que fui longe demais nesse último parágrafo, né!? Tudo bem que a esperança é a última que morre, mas daí a acreditar que existam políticos honestos e comprometidos com as causas da população... É Utopia demais para um jovem estudante de Direito...

Música "Quase Eu"...


Hoje resolvi postar uma música minha, pessoal...
Para aqueles que não sabiam, Quinca também é cultura! Rsss
Espero que gostem, apesar das desafinações e da gravação péssima, feita por meio da WebCam e do microfone do meu lap... O áudio ficou meio baixo, mas ta valendo...
Abraços!!!

QUASE EU


Vago num vago contorno de uma forma sem igual
Vago sozinho e sem rumo no espaço sideral
Embalado de saudade a procura de um sinal.


Viajo em busca de um caminho, viajo sozinho
Procurando encontrar
Uma forma, sem igual, para explicar.


Tudo aquilo que eu não pude ser.
A minha alegria que hoje se perdeu.
A velha forma, um triste contorno 
Dentro do espaço sideral,um quase eu.


Passeio no seio assombroso desta forma secular
Ao som de um certo Baleiro que me faz lembrar
Desta forma, minha forma, “Nalgum lugar”.


Percorro o caminho lentamente, na minha mente.
Procurando esquecer
Esta forma que insiste em me dizer.


Tudo aquilo que eu não soube ser.
A minha alegria que hoje se perdeu.
A velha forma, um triste contorno
Dentro do espaço sideral,um quase eu.


Contorno disforme, Eu sem Igual,
Caminho sem rumo
Mais uma forma neste mundo desigual.










terça-feira, 23 de março de 2010

Comentários, Tristes Comentários...



                    Somente rindo para não chorar... A cada dia a incompetência desse governo se torna mais clara.

                    Os cofres públicos de Limeira devem estar abarrotados de dinheiro para este tipo de descaso e despreparo de quem atua na região da Ponte Preta. E agora... A culpa é de quem??? Adutora, chuva, mão-de-obra, imperícia, incompetência, pouco caso... Já não sabemos de onde vem tamanha irresponsabilidade.

Aliás, como diria um amigo, se a culpa é da administração pública ela coloca em quem ela quiser, certo!?

                    Até quando teremos que ver nosso suado dinheiro indo pelo ralo quando se executam esses projetos mal planejados e totalmente ineficientes. Põe semáforo, tira semáforo, põe placa, tira placa, mão única, agora mão dupla e agora contramão. Nenhum projeto público consegue ser executado sem retrabalho???

                    Será que ninguém consegue administrar uma obra pública sem que ela precise passar por diversas reformas???

                     É acesso para deficientes que se soltam com a chuva depois de poucos dias de construção. É asfalto e ponte caindo o tempo todo, mesmo após reformas recentes no anel viário. Isso sem falar na região da Ponte Preta que, além de estar fazendo aniversário, já rendeu estória para pelo menos dois livros. Aliás, como poderíamos entitular estas "obras"??? A Ponte Preta em 180 MIL dias??? O Segredo??? Memórias Póstumas da Moralidade Administrativa???

                    Bom... Nomes para os livros temos aos montes, difícil será atribuir a autoria a uma única administração, já que essa falta de compromisso com o povo se tornou tão comum em nossa cidade...


Acorda Brasil, Acorda Limeira!!!
 
Quinca
 

segunda-feira, 22 de março de 2010

Aos Heróis do Meu Tempo...


Ao acaso, deparo-me com toda essa incoerência que nos rodeia e me pergunto onde estão os super-heróis de nosso tempo... Dia após dia nos vemos mais dependentes dessa figura isenta de personalidade, mas repleta de capacidades sobrehumanas... Não conseguimos definir um perfil, ou mesmo ou rosto para estes destemidos heróis, que tendem a se renovar com o passar das gerações, mas todos nós sabemos que eles devem ser dotados daquilo que não se encontra no homem comum, como por exemplo o amor ao próximo, senso de justiça, comprometimento com as causas sociais, vontade de mudar o mundo, etc.. De qualquer forma, buscamos modelos surreais sobre a ótica do mundo atual, justamente pela inexistência de valores morais contundentes e maciços.



Eu falo do mundo em que vivemos, ou melhor, que sobrevive a nós. É gritante a falta de práticas relevantes para manutenção da vida, bem como é latente o despropósito com que o “ser” humano conduz suas ações neste globo. Não consigo entender o sentido de algumas coisas, como porque não ratificar um tratado como o de Kyoto ou o Tribunal Penal Internacional. Não consigo entender, por exemplo, porque a igreja é tão forte e ao mesmo tempo tão fraca... Não consigo entender como num país como o nosso há tanta gente passando fome. Não consigo achar explicação pra muitas coisas grandes, mas ao mesmo tempo tão pequenas diante do poder que possuímos. Da mesma forma, não consigo achar explicações para quem nega um pedaço de pão, para quem não oferece seu lugar num ônibus ou para quem sequer tem a decência de assumir um erro.


É nesse cenário que a figura irrefragável do Super-Herói se cria. São homens e mulheres que se destacam por suas atitudes inovadoras, destemidas e extremamente desvairadas. Estes papéis são exercidos por pessoas com capacidades além daquelas que nascem com o ser-humano, privilégio de poucos. O Super-Herói do meu tempo não usa máscara, mas ninguém o enxerga quando não está a fazer uma atitude nobre. Ele, ou ela, não veste capa, nem pode voar, mas suas atitudes são dotadas de tanta coragem que, se repararmos bem, podemos ver que ele está num plano acima do nosso. Não tem visão de raio-x, mas enxerga longe, principalmente quando longe está alguém precisando de ajuda.


Como diria Jorge Versillo: “hoje o herói aguenta o peso das compras do mês...” E é sob este prisma que quero detalhar o herói do meu tempo. Vejo um herói em cada pai ou mãe de família que ganha pouco, mas que não deixa que isso destrua a felicidade de seus filhos. Vejo um super-herói em cada mãe e pai solteiros que batalham pela vitória de sua prole. O Herói do meu tempo está nas casas, nas empresas, nas igrejas e naus ruas, eles pagam impostos, além de matar um leão por dia.


Não me cabe julgar os vilões de meu tempo, por isso prometo não falar de política, roubalheira, criminalidade, ou correlatos... Mas, sobretudo, quero ressaltar a existência de pessoas que ainda lutam contra tudo isso. Todo super-herói depende de seu arqui-inimigo, pois um justifica a existência do outro. O que pretendo aqui é ressaltar a possibilidade de superação humana, que nos leva a criação destes personagens que estão muito mais próximos do que realmente imaginamos. O super-herói do meu tempo vive em mim, no meu vizinho, amigo, etc.. Ele se forma após um muito obrigado bem ofertado... Ele se fortalece nas pequenas atitudes, que não estão ligadas a lutar contra o crime, mas contra o preconceito, contra o comodismo e contra velhos paradigmas, capazes de tornar esse mundo menor do que relamente é...


O super-herói do meu tempo vive em nós, e não precisa de super-poderes para ser super, assim como não precisa de fama para ser herói, basta coragem, amor e um pouquinho só de comprometimento com a vida...
QUINCA
video

domingo, 21 de março de 2010

Um passo de cada vez...


Bem Vindos!!!

Este é um pequeno retrato daquilo que me atinge no decorrer dos dias...

Este espaço foi criado para manifestações artísticas, críticas e sentimentais dessa incógnita chamado QUINCA.

Um espaço onde se encontra de tudo um pouco, mas com um compromisso único: Não ser hipócrita. Então comentem a vontade... Xinguem, agradeçam, critiquem, elogiem ou simplesmente contribuam... Mas comentem!!!

Abraços a todos!!!