Blog do Quinca

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Filosofias Desvairadas... Parte 1

2DEZ-E~1

                    Uma noite dessas, antes de pegar no sono, inclinei-me a analisar o mundo de hoje, o mundo de sempre... São as mesmas farinhas de um saco só, são os mesmos circos com lonas diferentes, mas ainda são circos. Os palhaços somos nós, e são os outros, só que vestidos de médico, engenheiro, advogado, político, etc.. Fico frustrado quando vejo pessoas debatendo temas políticos como se fossem novela. Não precisa gostar, não precisa aceitar, nem mesmo respeitar, mas ao menos precisa de inteligência pra olhar a política.

                    Vejamos a discussão atual: Não voto porque é a favor do aborto... Não voto porque é contra o aborto... Não voto porque é comunista (Me expliquem onde existem comunistas no mundo, quem dirá no Brasil)... Não voto porque é do partido da Ditadura... Não se analisam propostas, nem ao menos caráter, mas sim posições puramente filosóficas, religiosas, demagógicas e outras posições sem nenhuma lógica ou coerência.

                    Não entendo como o povo se limita a indagações tão caóticas quanto as que vejo no dia-a-dia. É temeroso acreditar que o futuro do país está em mãos que nem mesmo sabem pra que servem os cargos políticos, e quando sabem não entendem a importância do processo. Será que nunca teremos um processo eleitoral melhor, mais transparente, mais limpo? São pessoas de todos os lados: falando, contestando, julgando, mas todos sem fundamento, e é isso que me frustra. Se ao menos tivéssemos um povo mais presente, cidadãos de pé no chão e cabeça no lugar... Ao invés disso partidos viram associações criminosas e pessoas de bem se corrompem pelo poder, pelo dinheiro, que sempre vai mais fácil do que entra.

                    Não sou A, nem B... Nem pássaro, nem operário, como muita gente que conheço. Mesmo assim, muita gente resolveu tomar partido, mas a maioria não sabe o que propaga, dizendo apenas o que ouviu dizer. Isso já virou uma guerra de telefone sem fio, onde pessoas despreparadas, ignorantes e muitas vezes alienadas passaram a defender um ou outro, mas sem conhecimento de causa... Sem ao menos conhecimento de história, o que é mais grave.

                    Não imagino um mundo melhor, por mais que eu tente construí-lo... Mas espero um mundo mais inteligente, mais centrado e mais sensível às reais necessidades de mudança. Chega de tanta gente batendo no peito e se achando mais, se achando muito... Quero pessoas que gritem seu nome, sem medo de tomar partido, desde que seja consciente. De gente morna, ignorante e medroza esse país já está cheio. É de pessoas humanas que o Brasil precisa, pois pra “seres” (des)humanos não há mais vagas.

“Acorda Brasil!
Acorda que ainda dá tempo...”

terça-feira, 27 de julho de 2010

Isso já deu pano pra manga...

                    Algumas coisas me intrigam... Uma delas é o alto índice de violância cometida a clientes de instituições financeiras. É tão recorrente que não sai dos periódicos da cidade de Limeira, chegando a irritar aqueles que, como eu, detestam ineficiência, pra não chamarmos de incompetência. Em Limeira, as famosas “saidinhas bancárias”, já renderam um prejuízo superior a R$320,000,00 às vítimas desta prática, isso em apenas seis meses (Informação dada pelo Jornal de Limeira conforme link ao fim do texto). Isso fora diversos outros bens que foram levados, e sem falar em outras formas de prejuízos imateriais e futuros, haja vista os valores que integram esta ação delituosa.

                    Por conta da recorrência nesta modalidade de crime, temos presenciado diversas atitudes para minimizar este impacto, conforme consta na reportagem de Murilo Biagioli e Ivan Costa, tais como divisórias em frente aos caixas, proibição de uso do celular dentro de agências bancárias e transferência dos estacionamentos para motocicletas. Contudo, não vejo atitudes realmente necessárias. Ninguém fala em reforço no policiamento da cidade, pois nestes casos a presença de um policiamento ostensivo é de suma importância. Além disso, não acredito que deixar de estacionarem motocicletas em frente aos bancos vão reduzir este índice, pois bandido não fica estacionado na frente do local do crime, e sim à espreita. Proibição de uso de celulares dentro das agências, no atual estágio tecnológico em que vivemos, é quase uma piada. Quem sabe não vão propor cadastro fotográfico para aqueles que precisarem de um banco, como quiseram fazer com as casas noturnas...

                    Não acredito em transferência de responsabilidade nestes casos. Quem era pra fazer não o faz, e isso é fato. A polícia não protege porque falta estrutura. As leis não são bem feitas porque falta competência. A justiça não pune porque faltam reformas no sistema jurídico nacional. E o povo, a verdadeira vítima, não consegue mudar porque falta educação. Gostaria realmente de saber o que faria um cidadão com 32 Mil Reais em espécie andando pelas ruas... Não consigo pensar em pessoas com mais de R$1.000,00 em dinheiro andando por aí quando se pode fazer tranferências pela internet, por meio de DOC’s e TED’s, isso sem falar em Cheques Administrativos. Porque ninguém divulga essas coisas além dos bancos? Porque se restringe tanto, quando educar mais já mudaria muitas coisas?

                    Não acredito em erradicação dos problemas, principalmente quando se trata da violência, mas não posso admitir que o medo nos prenda dentro de casa por falta de competência para governar, para executar, para legislar e para fiscalizar. É inadmissível que falsas propostas sejam aplicadas para tapar o sol com a peneira, quando o que precisamos de verdade é de gente séria, honesta e corajosa para enfrentar de peito aberto as dores do povo.




Acorda Brasil,

Acorda Limeira!
 

Informações coletadas no Jornal de Limeira em 27/07/2010, por meio do link:

http://www.jornaldelimeira.com.br/site/noticias_detalhes.php?ID_Noticia=36731

terça-feira, 20 de julho de 2010

Em tempos de Guerra, O silêncio não serve como Arma!

           
                    Ano eleitoral... Circos armados, gente nas ruas, "bons" candidatos (ao menos em palanques e na oratória), filmes de gente política, declarações caluniosas, ou seja, as mesmas batalhas pelo poder do povo, que pode não ser incontestável, mas que é no mínimo soberano. É a mesma festa incoerente e dissimulada que ocorre bienalmente, e que só não compete com carnaval, pois este ocorre de ano em ano. De qualquer forma, temos a certeza que mais uma guerra se inicia... O objetivo é o mesmo, os personagens também, e como em toda guerra que se preze, quem sofre as consequências é o povo!

                    - "É a maior conquista da soberania popular!", dizem os Democratas a despeito do Sufrágio Universal (direito de votar e ser votado), porém vale ressantar a indiscutível obrigatoriedade do voto, colocando em cheque sua classificação como um direito, e tranformando-o em mero dever do povo.

                    Contudo, não tratarei de pormenores, como termos políticos ou discussões jurídicas acerca do tema, mas venho prezar pela maior, pra não dizer única, arma do povo diante deste circo dos horrores que é a política em nosso país. É descabido aceitarmos de braços cruzados que políticos sem caráter, bandidos, e canalhas se apoderem de nosso soberano poder. Sendo assim, não usarmos nossa única arma em épocas de eleição é entregar de bandeja nosso dinheiro, nosso suor, nossas batalhas e nossa dignidade para essa corja de cafajestes. Poucos são os políticos que merecem voto, mas precisamos ir em busca dessas pessoas, pois acreditar que eles não existem é abandonar a esperança, único conforto que nos resta...

                    Não venho defender este ou aquele político, e não quero apresentar um ou outro partido, mas é meu dever como cidadão, como pai e como gente contribuir para que a cidadania se fortaleça em nossa democracia. É muito comum nessa época que se veiculem pela internet os famosos "Hoax", ou pulhas virtuais, incentivando o voto nulo como forma de indignação e como ferramenta para substituição de candidatos. Isto, além de ser uma tremenda mentira, ainda limita nosso poder de escolha, deixando a decisão para poucos, normalmente interessados.

                    Não confundam voto nulo com eleição ou votação nula. Procurem se informar, pois vivemos na era da informação. A internet ajuda, amplia, cria cultura e até incentiva, mas com o mesmo poder com que executa, destrói e aliena as pessoas. Não sejam reféns de suas inseguranças e de sua ignorância pela falta de informações. Não cruzem os braços quando mais se precisa de operários.

                    Em tempos de guerra, o silêncio não serve como arma. Quem não toma partido obedece a ditadura dos que escolhem, submetendo-se ao que não gostaria e sem a dignidade de quem lutou por dias melhores... Sem a chance de dizer que tentou...


Acorda Brasil, Acorda!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Sentimentos de Um Poeta

Meu povo e minha pova... Rsssss
É com Alegria que volto a postar alguma coisa, nem que seja um poema antigo!! Rsssss

Espero que gostem, apesar de já ser um velho conhecido... Hehehehe!!!
Abraços a Todos!!!


SENTIMENTOS DE UM POETA


Em cada verso, meus sentimentos resplandecem
Em cada rima, revelo uma emoção
Em cada estrofe, histórias me aparecem
E uma delas, revivo nesta canção.

Num mundo de hipocrisias
Onde pouco se vive com filosofias
Há aqueles que vivem das poesias.

“Caretas e loucos” são do que nos chamam
Só por expormos sentimentos poéticos
Mas loucos são os caretas que não amam
E por serem tão ignorantes, tornam-se patéticos.

Nesse mundo de tanta hipocrisia
Não se formam idéias de filantropia
E as poesias vão se tornando utopia.

Mas infelizmente, é essa nossa cultura
Imunda, ferida, a ponto de padecer
Complexa de uma sabedoria obscura
Reflexo de um ridículo modo de viver.

Mas esse mundo de hipocrisias
É formado de idéias em harmonia
Revelando que as poesias são utopia.



Limeira, dezembro de 2000.


 
QUINCA
 


segunda-feira, 26 de abril de 2010

De Tudo um Pouco, mas Pouco do Muito que Espero...



               De um verso inanimado, reanimo as virtudes de um novo começo... É a vida por traz da morte, o prazer por meio da sorte e o canto fulgaz de quem é forte. Minhas maneiras de ver o mundo, mil maneiras por sinal, me recolocam a frente de mim mesmo, onvindo de tudo um pouco, mas pouco do muito que espero...

               Sem voz, me via assustado e incoerentemente gritando, porém só. Era uma época cinza de maus tempos e com poucas atitudes. Num súbito suspiro sincero, revejo as formas que me puseram abaixo num piscar de olhos. Estas formas desvairadas foram capazes de me remeter a alguem desconhecido, cuja saudade é mínima. Fui um pouco feliz em todos os aspectos, mas pouco feliz do muito que espero pra mim...

               Um ser apático, metódico e pouco sociável... Achei duras as minha lamúrias, mas gélidas as minhas vontades nesse lúgubre período de tempo. Não havia em mim uma molécula sequer que não buscasse outra forma de viver. Foi muito do pouco tempo que tive, mas pouco do muito tempo que espero ter...

               Busco agora um novo instante, uma nova forma e um novo ser. Alguém capaz de inovar paulatinamente numa vida repleta de velhos vícios e incertezas. As animosidades, antes etéreas, agora se transformam em pequenos paradigmas prestes a deixarem de existir... Percorro um simples caminho, o da certeza... da realidade absoluta e paupável, deixando de lado aquela longa e abstrata auto-estrada das quimeras. Tenho de tudo um pouco, mas pouco do muito que preciso!!!

               Sem demagogia, despeito ou vaidades, procuro vicissitudes que serão capazes de trazer a este ser errante, e inconsistente, os anseios necessário pra continuar tentando. Confundo-me no deleite de meus versos, haja vista esta busca irrefragável por um novo Quinca... Um novo alguém capaz de lutar pelo esquecimento de tudo um pouco, nem que seja pouco do muito que desdenho...

Adormeço sem jeito, tal qual um despeito daquilo que aceito... É um novo preceito para quem desconhece o que deixou de ser feito...


São versos insanos estes... Mas traduzem de Tudo um Pouco, ainda que seja um Pouco do Muito que tenho...



Limeira, 27 de Abril de 2010.


Quinca

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Logo eu to de volta...

       
To meio sumido, eu sei... Muita correria por aqui e pouco tempo para postar novos assuntos... De qualquer forma, logo eu volto e prometo postar com mais frequência...
     
Enquanto isso, deixo a vocês uma musiquinha do Caetano... Rssss... A essa altura não poderia ser outra né!!! Abraços a todos!
     

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Para meus Amigos!!!


A todo momento precisamos fazer escolhas, algumas mais sérias que outras. Foi num desses momentos comuns que decidi buscar novas experiências...

Algumas decisões são mais difíceis para serem tomadas, e mesmo sendo melhores opções, não são dotadas apenas de reflexos bons. Certamente uma das minhas mais recentes decisões já me trazem reflexos não tão positivos. É esta distância entre bons amigos que me entristece, mas ao mesmo tempo me conforta, pois sei que os bons amigos não o deixarão de ser apenas pela distância.

Vou como quem fica... Meu corpo se afasta, mas sorrateiramente meu coração me abandona, motivo que me levou a escrever este post. Ele é apenas uma forma de agradecimento por estes anos de convivência e de paciência. É muito bom sair, mas ficar no coração dos amigos verdadeiros.

Espero ver todos em breve, ainda que a visita também seja breve.

Deixo duas músicas que eu acho fantásticas, sendo a primeira "Eu Quero Apenas" e a segunda "Despedida", ambas do Roberto Carlos, porém no segundo vídeo quem canta e arranja é Pierre Simões, pois é uma dificuldade encontrar um vídeo do Roberto.

Abraços galera!!!
SUCESSO...

Quinca


segunda-feira, 12 de abril de 2010

Quem Acredita Sempre Alcança…



                     As Vezes demora um pouco, a ponto de acharmos que não mais virá, mas quando vem é mágico… Tudo na vida tem seu tempo, e este tempo não pertence a nós, mas certamente alcançamos aquilo que nós precisamos. O que nos falta, ainda, é aceitar que nem tudo que buscamos é uma necessidade para nossa vida, e que existe Alguém pronto para nos dar aquilo que precisamos, nem a mais, nem a menos… É esse dicernimento entre as coisas que precisamos e as coisas que queremos que falta a cada um de nós.

                    Existem momentos em que nos encontramos perdidos… Vejam a complexidade exposta nesta antítese… Se conseguimos parar e analisar que estamos perdidos, isso é um sinal de que nos encontramos. Ora… Se ninguém deseja estar perdido, quando nos vemos nessa situação é que vislumbramos um mundo diferente. Talvez queiramos o mesmo mundo que conhecemos anteriormente, a nossa zona de conforto. Talvez passamos a buscar um mundo novo, diverso de tudo que fizemos um dia. De qualquer forma, o que nós realmente queremos é estar fora daquela situação.

                    O que me faz sentir seguro? Para muitos é a famosa zona de conforto, enquanto para outros segurança tem a ver com liberdade. O que podemos dizer que é comum a todos é o fato de sempre alcançarmos aquilo em que temos fé. Não se alcança o apartamento em Paris, mas a morada Naquele que nos proporciona o mesmo conforto e a segurança de um lar. Isso significa dizer que o tempo das coisas, bem como suas necessidades, é administrado por quem realmente entende de tempo e de necessidade, não competindo a nós determinar quando queremos algo e se aquilo é realmente importante.

                    “Quem acredita sempre alcança…” Esta frase não significa que vamos ter tudo o que queremos, sendo este o entendimento de muitos daqueles que vivem frustrados. Esta frase traduz que se cremos em algo, isto vai se solidificar na medida de nossas ações, mas ao tempo de Deus, não ao nosso tempo. Precisamos buscar… Trabalhar para disponibilizar meios para que as coisas aconteçam, mas não podemos esquecer que nos será dado aquilo que precisamos, somado aquilo que buscarmos… Nem a mais, nem a menos!


Este texto do Amado Nervo, poeta mexicano, traduz em versos o que tentei dizer aqui. O poema, somado à música do Renato Russo, dizem muito sobre algo que não gostamos de aceitar. Falam sobre futuro...


                         EM PAZ – Amado Nervo                                               Mais Uma Vez – Legião Urbana
Próximo do meu acaso eu te agradeço vida.
Porque nunca me deste uma esperança falida,
Ou injustos trabalhos ou pena imerecida.
Pois vejo ao final do meu árduo trajeto
Que do meu destino fui eu mesmo o arquiteto.
E que se mel ou fel nas coisas achei
Foi porque nelas o mel ou o fel eu deixei.
Sempre colhi rosas onde rosas eu plantei.
Certamente, foi muito longo o inverno.
Não me disseste, porém, que maio era eterno.
Achei duras demais as noites de minhas penas,
Mas não me prometeste apenas noites boas.
E em troca tive outras santamente serenas...
Amei, fui amado e o sol acariciou minha face.
Vida, nada me deves! Vida, estamos Em Paz!

Confira o texto original
aqui.

terça-feira, 6 de abril de 2010

As Vezes, um Sorriso Basta…

sorria

                    Que a vida não é tão fácil quanto parece todo mundo sabe, mas todos devem concordar que difícil não é viver, difícil é ser gente… Digo isso pela dificuldade de ser um bom amigo, principalmente se tentamos, de todas as formas, agradar determinada pessoa, quando na verdade apenas um sorriso já seria suficiente. Ser gente não é ser amigo, eu sei disso, mas este é apenas um sinal de que estamos vivendo de forma errada.

                    Muito se fala na necessidade de sermos melhores, seja como pessoa, como profissional, como amigo, irmão, filho, pai, cristão, enfim… Ninguém fala que precisamos ser gente, o que pra mim é uma grande falta de bom senso, mesmo porque, não se pode melhorar aquilo que não existe. Para sermos melhores nos aspectos que mencionei, primeiramente precisamos “ser” alguma coisa, o que não vem acontecendo. Provavelmente poucos entendam, concordem ou aceitem esse texto, mas ele é reflexo de experiências vividas ao longo dos anos e que determina como o ser humano deixou de ser humano.

                   
Ser gente, pra mim, é ser humano… É ser profissional em todas as atividades do dia-a-dia. É ser pessoa, quando tudo te leva a agir irracionalmente. É ser pai, sem ao menos ter filhos e ser amigo mesmo quando isso implique em deixarmos de ser nós mesmos. É ser família quando se está sozinho e ser cristão mesmo sem ter família. É ser pai do amigo, irmão do filho, funcionário de Deus e crente no trabalho. Ser gente é ser humano, com alma, sentimentos e desencontros, mas não se esquecer disso. Ser gente é ter misericórdia, piedade, compaixão, compromisso, fidelidade, fé, união e Amor…


Ser gente é ser o próprio amor…

                    Ora… Se Deus é amor e ele vive em nós, sejamos nós o Amor de Deus diante das coisas. As vezes, um sorriso basta para demonstrar esse amor… Não precisamos mais que um singelo movimento de lábios pra por abaixo tudo que contradiz o ser humano. É esta força escondida em nós que nos torna gente, que nos torna mais humanos e que faz de nós mais felizes ao longo dos dias. É isso que falta para nos tornarmos naquilo que assumimos quando viemos a esse mundo…
sorria013

Pra nos

tornarmos

gente…

só falta o Amor!!!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Semana Santa! Suas liturgias e Curiosidades...

Bom pessoal, após alguns dias sem postar nada, justamente por falta de tempo, resolvi falar sobre o que vivemos nessa semana, não só católicos, mas cristãos em geral!

Resolvi falar da Semana Santa, que para os católicos se inicia no Domingo de Ramos e tem seu desfecho com a ressurreição de Cristo, no Domingo de Páscoa.



                    A páscoa, sempre celebrada no domingo seguinte à primeira Lua Cheia após o equinócio da primavera no hemisfério norte (Ou após equinócio de Outono em nosso Hemisfério) é, sem sombra de dúvidas, a celebração mais importante no calendário litúrgico da igreja católica, e celebra a vitória de Jesus sobre a morte ou sua Ressurreição, apesar da comemoração da páscoa ser data muito antes do nascimento de Cristo, com a saída do povo do Egito em direção a terra prometida. É esse Mistério Pascal que vivemos na Semana Santa, que se inicia com a entrada de Cristo em Jerusalém, no Domingo de Ramos.

Domingo de Ramos

                    O Domingo de Ramos é uma representação do que aconteceu pouco antes da última ceia, com a entrada de Jesus em Jerusalém, montado em um pequeno jumentinho que o conduzia pelas ruas da terra santa, enquanto o povo, acolhendo-o como Rei ou Messias, gritava "Aquele que vem em nome do Senhor" e balançava ramos de Oliveira, ou Palmas. Contudo esse povo se enganou, ao acreditar que Ele seria um libertador político, quando na verdade suas promessas eram extraterrenas.
Liturgia Solene, sendo vermelho a cor litúrgica. Inicia-se com a procissão e benção dos ramos e encerra-se com a Missa. Esta liturgia é marcada pela procissão, que se iniciou com Cristões de Etéria, e pela Antífona utilizada:
"Hosana ao Filho de Davi!
Hosana ao Filho de Davi!
Bendito o que vem em nome do Senhor!
Rei de Israel, Hosana nas alturas!"

2ª Feira Santa
                    Na Segunda-Feira da Semana Santa, apesar desta comemoração não ser tão antiga quanto a de Ramos e não ser tão comum nas igrejas hoje em dia, temos o início da caminhada de Nosso Senhor dos Passos, marcado pela unção em Betânia, na casa de de Lázaro, momento em que sua irmã, Maria, unje Jesus com Perfumes. Neste dia, nas comunidade que ainda celebram, realiza-se a procissão de depósito.
 
Neste dia a celebração conta com a solenidade das trevas e pode ocorrer normalmente, tendo como cor litúrgica o roxo, a mesma usada durante a quaresma. Esta liturgia é marcada pelo início das procissão dos passos.
 
3ª Feira Santa
 
                    Este é um dia pouco comentado, apesar de ser o terceiro dia da semana santa. Algumas igrejas realizam missas e até procissões, podendo ser neste dia a procissão do encontro ou do depósito, de acordo com as programações da comunidade.
 
Neste dia também celebra-se a solenidade das trevas e é marcada por missas, ou mesmo a realização das procissões do depósito ou do encontro, dependendo da comunidade. A cor ainda é o Roxo.
 
4ª Feira Santa
 
                    Este é o dia mais comum para a realização da procissão do encontro, que ainda é muito tradicional. Neste dia temos como presença marcante a figura de verônica e a procissão consite no encontro das Imagens do Senhor dos Passos com a Imagem de Nossa Senhora das Dores. Normalmente se realiza uma procissão somente com os homens que levam o andor do Senhor dos Passos e outra somente com mulherem carregando o Andor de Nossa Senhora das Dores. Em seguida, as duas procissões se encontram, realizando este encontro entre mã e filho. Neste dia Cristo já é identificado pelo caminho carregando a Cruz, e pela dor de sua mãe ao vê-lo nesta situação. A celebração eucarística, ainda com solenidade das trevas, é realizada após a procissão. Este dia recebe o nome do ofício, sendo conhecida como Quarta Feira de Trevas.
 
Este é o último dia do ofício das trevas e, por isso, é solene. É característico da quarta feira Santa a realização da procissão do encontro e a celebração eucarística, além da presença de Verônica, que foi quem enxugou as o suor e o sangue de Cristo durante a Via Sacra. Seu canto é presença marcante na liturgia, que neste dia ainda usa a cor Roxa.
 
5ª Feira Santa ou Ceia do Senhor
 
                    Esta é a celebração mais marcante da Semana Santa, conhecida por Católicos ou não, devido ao rito do Lava-Pés. O Lava-Pés é a representação do que foi feito por Cristo, pouco antes de ser preso. É o sinal máximo do serviço ao próximo e demonstra a total humildade de Cristo e sua função também como servo do Pai. É preciso servir para ser servido... Esta celebração é a última celebração Eucarística antes de sua ressurreição, e possui alguns elementos litúrgicos como figuras marcantes durante a missa. A figura do Hostensório, do Cibório, da Capa Plúvia e do Lava-Pés e da distribuição do pão. Ao fim da celebração realiza-se o translado do Santíssimo para a capela, ou local de adoração, pois lá irá permanecer desde sua entrada, no que remete ao Horto das Oliveiras, até o final da sexta-feira santa. O canto ao Santíssimo Sacramento também é obrigatório neste dia. É ainda neste dia que se realizam a benção dos Santos Óleos, do Crisma, do Batismo e da Unção dos Enfermos, além de ser um dia para renovação das promessas
 
Nesta liturgia temos a Solenidade de início do Tríduo Pascal, ápice das celebrações litúrgicas da igreja católica. É um dia de festa que nos remete a última ceia, por isso o uso da cor Branca na liturgia. É marcado principalmente pela última ceia, pelo Lava-Pés, pela renovação das promessas, pela benção dos óleos santos e pela adoração ao Santíssimo Sacramento.
 
6ª Feira Santa ou da Paixão
 
                    A tristeza toma conta de nós neste dia. É o dia em que Cristo é entregue para morte e momento em que nos rendemos ao silêncio, a adoração e em vigília nos mantemos durante o dia. As manifestações começam muito cedo em muitas igrejas, com as vigílias de adoração ao Santíssimo. À tarde, neste mesmo dia, temos a adoração da cruz e à noite a procissão do Senhor Morto. Note-se que neste dia não existe celebração eucarística. É o único dia em que não se realiza missa ou o Rito da Comunhão. As celebrações deste dia nos remetem, historicamente, ao julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo. É o dia mais triste da celebração litúrgica, mesmo sabendo que ele retornará. É um dia único para reflexão e singular no sentido de remissão dos pecados. A Sexta Feira santa é o símbolo máximo da indecência do povo e da sublime divindade de Cristo.
 
Neste dia não há celebração eucarística, devendo-se usar a todo o momento a cor vermelha na liturgia. É caracterizado palas vigílias, que podem começar a meia noite e podem seguir até o momento da adoração da cruz. A adoração é marcada pelo tradicional canto "Eis o Lenho da Cruz" e pela total nudez do altar. A adoração é feita pelo sacerdote que se prostra de rosto ao chão diante da cruz. A procissão do Senhor Morto, realizada à noite, também é de grande comoção para os fiéis, além de ter como figura indispensável, a aparição de Pietá. Não há festas neste dia, que é marcado de jejum para muitos fiéis.
 
Sabado Santo ou Vigília Pascal
 
                    Aqui encerramos o Tríduo pascal com a Celebração mais longa dos ritos solenes da igreja católica. É neste dia que celebramos a benção do Fono Novo e momento em que acendemos o Círio Pascal. Este dia é dividido em cinco partes, sendo a Celebração da Luz, a Celebração do Círio, a Liturgia da Palavra, a Liturgia Batismal e a Liturgia Eucarística. É comum neste dia existir o batismo de alguma criança escolhida dentre os membros da igreja. Esta é a liturgia que apresenta Cristo vencendo a morte e nos dando nova vida. É esta liturgia que demonstra a ressurreição de Cristo e sua identificação como Filho de Deus e divino membro da Santíssima Trindade.
 
Essa liturgia possui características marcantes, como é o caso da benção do fogo novo, da entrada que é realizada somente a luz de velas e com o presidente batendo com a cruz para que abram a porta. O canto do Exulte é figura típica da celebração, bem como encenações com a decerração do véu no momento do glória, que pode ser completado com utilização de fogos e as tradicionais matracas. Como o dia é festivo utiliza-se a cor branca. Outra característica marcante é o encerramento tradicional proferido pelo presidente da celebração que, por se tratar de tempo pascal, é acrescido da frase Aleluia, aleluia. ficando da seguinte forma:
Presidente - "Ide em paz e que o Senhor vos Acompanhe. Aleluia, Aleluia."
Todos - "Graças a Deus. Aleluia, Aleluia."
 
Domingo de Páscoa
 
                    Apesar deste parecer o dia mais importante, é pouco celebrado, contando apenas com missas, solenes, porém tradicionais e sem muitas manifestações. Incia-se aqui o tempo Pascal que durará 50 dias e se encerrará com a Ascensão do Senhor, celebração que antecede o Pentecostes. É um dia festivo, porém com os anos, as pessoas deixaram de participar desta celebração regligiosa comemorando a Páscoa com costumes comerciais, para não dizer pagãos.
 
É parte integrante da celebração do mistério pascal, sendo entendida como celebração obrigatória para os católicos, uma vez que um dos mandamentos da igreja é: "Receber o sacramento da Eucaristia, pelo menos na Páscoa." É claro que se entende Páscoa como sendo o Mistério Pascal, por isso essa celebração eucarística passou a ser menos participativa. Contudo, vale ressaltar a importância desta missa e de todas as missas dominicais.
 
Bem... Creio que, apesar do texto ser longo, ele foi bastante suscinto sobre o tema, que renderia informações suficientes para uma coleção de livros com pelo menos uns 3 volumes. Espero que gostem  que comentem, pois a participação de vocês é extremamente importante para o bom desenvolvimento deste tema.
 
Abraços a todos!!!
Quinca

segunda-feira, 29 de março de 2010

Algumas Coisas Não Se Explicam...







Nem tudo na vida tem explicação, como, por exemplo, o porquê da guerra santa ou da santa inquisição; o preconceito ou mesmo a discriminação; nem o terrorismo ou nem mesmo a devastação. Mas nem tudo que não se explica é ruim. Não se explica a bondade, não se explica o respeito, nem tampouco a paixão. Não se explica o AMOR... Aliás, isso sim se explica. Alguém me disse certa vez a seguinte frase: “– Tudo Deus!”. É claro que nem tudo acontece por causa ou em favor Dele, mas certamente se temos qualquer coisa nessa vida podemos dizer que é TUDO DEUS!

Há quem diga que não exista o frio e que esta palavra somente simboliza a falta de calor, então esta mesma pessoa chegou a concluir que o MAL nada mais é que a falta de Deus. Ora, se é simples esta definição, por que temos tantos problemas ainda? Qual o real significado da falta de amor? Onde está este fruto tão precioso que seria capaz de exterminar definitivamente esta palavra tão amarga, além do sentimento é claro, de nossos dicionários e de nossas almas? A resposta é tão simples quanto a própria definição. O amor continua dentro de cada ser humano, nasceu em nós. Porém não podemos, como todo bom fruto, colhê-lo antes do tempo. Além de se tornar azedo ainda perderá o sabor com facilidade. Da mesma forma não podemos esperar demais, pois quando maduro o suficiente ele nos abandona e logo nos tornaremos árvores secas. Se não desfrutamos do sabor deste fruto sagrado, as atribulações da vida nos privam deste gosto. Se ele cai não mais o recuperamos.

Agora voltemos a pensar... TUDO DEUS! Como posso nortear-me com tal definição? Se Tudo provém Dele, e é por Ele que as coisas boas acontecem, por que não abandonamos nossas impaciências ou mesmo nossa morosidade para colher este fruto que de forma irrefragável mudará a todos os seres viventes? Temos medo! Isso quando não somos egoístas o suficiente para tentar reter tudo o que produzimos para nós mesmos. Mas nos esquecemos que foi por medo que muitos pecaram, ou seja, foi pela omissão que muitos deixaram de viver. Da mesma forma foram atitudes mesquinhas que transformaram nossa vida e nosso mundo no que se encontra hoje. Se é tão simples amar, simplesmente por amar, qual motivo ainda nos prende a este “amor” patético que espera algo em troca? Qual o verdadeiro significado para tal oportunismo, além de toda essa ignorância que nos acomete no cotidiano das coisas? Talvez ainda precisássemos de mais dois mil anos para desmanchar essa máscara da mentira que nos afasta de Deus e daquilo que realmente importa, ou seja, o AMOR. Mas nossa chance já foi dada, por isso não adianta em nada esperarmos que um novo Cristo volte para nos remir dos pecados que nós escolhemos professar.

Realmente o que nos falta é a capacidade de amar na medida certa. Não é necessário forjar o amor, ele acontece naturalmente quando menos esperamos. Também não é possível viver este sentimento, que mais arde em nossos peitos como estado da alma do que como uma simples maneira de agir, sem nos entregarmos quando ele aparece, ainda que repentinamente. O mal é a Falta de Deus, sendo assim, o Mal é a falta de amor. Como pode faltar aquilo que nasce conosco? Como nos falta algo que nos foi dado antes mesmo de nossa concepção. Pois é... Nem tudo se explica...

sexta-feira, 26 de março de 2010

Poema de Quinca

  

Mais um poema escrito por mim... Ele não é novo, mas é bonitinho! Espero que vocês gostem...


ANDANÇAS DE MINHA ALMA

No compasso de um passo sem rumo, marcho.
Em momento algum o devaneio de minha alma,
Corroído pela vasta sensação de triste calma,
Abandonou esse coração por um simples facho.

Ainda que meus olhos se fechem a verdadeira luz,
Que minha boca se cale diante de um som soturno,
Ainda que minha mente se prenda a um pensar noturno,
Não me furtarei de afastar de mim este nefasto lapuz.

No compasso de um passo inquieto, eu batalho.
Os versos usados na luta são mudos, mas urram
De complacência por um desejo eloqüente. Surram...
Mas de forma pacífica eles conseguem meu Serralho.

Inerte sensação de pesar sem pós-contentamento...
Divina comédia insana e incestuosa essa minha
Que vaga entre os maus dizeres de certa rainha.
Solidão! Ainda queres arrematar esse inútil sentimento?

No compasso de um passo sem medo, me vejo
A espreitar com veemência as animosidades alheias.
A gritar por alguém me traga logo uma candeia,
E que me vele com coração sincero, mas sem pejo.


Limeira, 05 de Novembro de 2009.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Não dá pra Aguentar!!!



É muita sacanagem e pouca resolução...

                    Não sei como dizer, mas a democracia, a moralidade administrativa e o respeito ao povo deixaram de existir há muito tempo!!! É uma tremenda vergonha ser cidadão em Limeira, se bem que será difícil encontrar um lugar diferente no Brasil...

                    Como se não bastassem as besteiras que a Administração Pública Limeirense diz e faz a todo o momento, ainda é possível ver a falta de estrutura para enganar o povo!!! Humilham a população, nos chamam de idiotas e enganam a todos com seus discursos incabidos, mas não fazem questão nenhuma de esconder essa falta de comprometimento social.

                     Não temos dinheiro pra rodoviária, não temos dinheiro pra saciar a fome, pra construir casas, nem pra gerar empregos, mas se gasta milhões com projetos infrutíferos e faraônicos. Gastamos muito dinheiro com erros causados pela má gestão pública e por obras mal feitas, mas não somos capazes de resolver problemas simples como a falta de vagas nas creches, como a falta de moradias, etc...

                     Caros Senhores da Administração Pública de Limeira, enrolar o povo já se tornou costume no Brasil, mas ao menos se fazia isso às escuras, não anunciando uma Torre ridícula num dia e dizendo que não tem dinheiro no outro... Até onde iremos com essa falta de vergonha na cara???

Acorda Brasil, Acorda Limeira!!!

Veja comentários de Quinca no Jornal de Limeira On Line:

http://www.jornaldelimeira.com.br/site/noticias_detalhes.php?ID_Noticia=34335 ("Falta verba para nova rodoviária, diz Ítalo")

http://www.jornaldelimeira.com.br/site/noticias_detalhes.php?ID_Noticia=34333 ("Arquivado caso sobre bolsa à esposa de Eliseu")

quarta-feira, 24 de março de 2010

A CPMF Acabou... Foi Bom pra Você???



Na cabeça de muitos Brasileiros esse é um assunto ultrapassado, mas foi uma matéria de Marcos Cintra no portal do Terra (Confira na íntegra clicando aqui) que me chamou a atenção e me fez refletir sobre os reais efeitos dessa conquista da base oposicionista ao governo Lula.

                    Acho que uma das notícias mais comemoradas no final do ano de 2007 foi a extinção da Contribuição Provisória sobre a Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira, popularmente chamada de CPMF. Foram longos 13 anos de existência, se incluirmos nesse tempo o IPMF e o IOF, além de desconsiderarmos os períodos em que ela não produziu efeitos. A CPMF foi extinta de nosso arcabouço tributário após a infrutífera tentativa de prorrogação por parte do governo, sendo recusada no Senado Federal em Dezembro de 2007.

                    Contudo, mesmo sabendo da má administração do dinheiro público, bem como da total falta de critérios e transparência na distribuição do que se arrecadava com a CPMF, indago-me se foi mesmo a melhor decisão a ser feita. É evidente que o país arrecada muito, merecendo o posto de segundo país com maior carga tributária no mundo, principalmente quando vemos medidas contraditórias ao que se defendia em prol da continuidade da CPMF. Refiro-me às diversas isenções e diminuições tributárias assumidas pelo governo, pouco tempo após a extinção da contribuição e diante de uma crise de propoções internacionais.

                    Entretanto, eliminaram a CPMF mas liberaram 20% de toda arrecadação de tributos, constitucionalmente prevista, para aplicação sem destinação específica. Algo me parece não cheirar muito bem... É indiscutível que a carga tributária no Brasil deve ser diminuída, sendo inclusive plataforma de campanha de um Presidenciável (Que na minha opinião é só mais uma das infinitas promessas de campanha), mas será que foi essa a melhor medida? Mais de dois anos se passaram e não percebi mudanças no que estamos entregando ao governo. A CPMF, pelo menos, era de fácil contabilização e não escolhia ricos ou pobres. Era igual para todos.

                    Mas a pergunta que não quer calar é:

Será mesmo que o fim da CPMF favoreceu os Brasileiros?

                    Deixo a vocês esta pergunta como forma de reflexão, pois no dia-a-dia nos deparamos com diversas medidas que, ao primeiro olhar, nos parecem fantásticas, e até mesmo uma forma de dizer ao governo que não somos tão tontos, mas ao olharmos com uma ótica mais atenta e apurada veremos que, talvez, esta esmola foi boa demais para não desconfiarmos.

                    Acredito que a proposta apresentada por Marcos Cintra, juntamente com a proposta de redução das cargas tributárias em todas as esferas, seja realmente a melhor opção, mesmo economia não sendo meu ponto forte. No caso proposto pelo economista, é nítido que a melhor opção é a redução dos impostos aplicados às empresas, pois isso geraria mais empregos, mais negócios e melhor distribuição de renda, por outro lado aceitar uma contribuição incidente sobre tudo o que movimentamos nas instituições financeiras é desanimador, a menos que nosso país venha a ser melhor administrado, com real aplicação do dinheiro público, não em campanhas com finalidade exclusivamente eleitoreiras, mas com projetos que verdadeiramente atendam as necessidades do povo brasileiro, que hoje não tem onde morar, passa fome, morre sem atendimento médico e ainda por cima não tem onde trabalhar.

                    Pois é... Acho que fui longe demais nesse último parágrafo, né!? Tudo bem que a esperança é a última que morre, mas daí a acreditar que existam políticos honestos e comprometidos com as causas da população... É Utopia demais para um jovem estudante de Direito...

Música "Quase Eu"...


Hoje resolvi postar uma música minha, pessoal...
Para aqueles que não sabiam, Quinca também é cultura! Rsss
Espero que gostem, apesar das desafinações e da gravação péssima, feita por meio da WebCam e do microfone do meu lap... O áudio ficou meio baixo, mas ta valendo...
Abraços!!!

QUASE EU


Vago num vago contorno de uma forma sem igual
Vago sozinho e sem rumo no espaço sideral
Embalado de saudade a procura de um sinal.


Viajo em busca de um caminho, viajo sozinho
Procurando encontrar
Uma forma, sem igual, para explicar.


Tudo aquilo que eu não pude ser.
A minha alegria que hoje se perdeu.
A velha forma, um triste contorno 
Dentro do espaço sideral,um quase eu.


Passeio no seio assombroso desta forma secular
Ao som de um certo Baleiro que me faz lembrar
Desta forma, minha forma, “Nalgum lugar”.


Percorro o caminho lentamente, na minha mente.
Procurando esquecer
Esta forma que insiste em me dizer.


Tudo aquilo que eu não soube ser.
A minha alegria que hoje se perdeu.
A velha forma, um triste contorno
Dentro do espaço sideral,um quase eu.


Contorno disforme, Eu sem Igual,
Caminho sem rumo
Mais uma forma neste mundo desigual.










terça-feira, 23 de março de 2010

Comentários, Tristes Comentários...



                    Somente rindo para não chorar... A cada dia a incompetência desse governo se torna mais clara.

                    Os cofres públicos de Limeira devem estar abarrotados de dinheiro para este tipo de descaso e despreparo de quem atua na região da Ponte Preta. E agora... A culpa é de quem??? Adutora, chuva, mão-de-obra, imperícia, incompetência, pouco caso... Já não sabemos de onde vem tamanha irresponsabilidade.

Aliás, como diria um amigo, se a culpa é da administração pública ela coloca em quem ela quiser, certo!?

                    Até quando teremos que ver nosso suado dinheiro indo pelo ralo quando se executam esses projetos mal planejados e totalmente ineficientes. Põe semáforo, tira semáforo, põe placa, tira placa, mão única, agora mão dupla e agora contramão. Nenhum projeto público consegue ser executado sem retrabalho???

                    Será que ninguém consegue administrar uma obra pública sem que ela precise passar por diversas reformas???

                     É acesso para deficientes que se soltam com a chuva depois de poucos dias de construção. É asfalto e ponte caindo o tempo todo, mesmo após reformas recentes no anel viário. Isso sem falar na região da Ponte Preta que, além de estar fazendo aniversário, já rendeu estória para pelo menos dois livros. Aliás, como poderíamos entitular estas "obras"??? A Ponte Preta em 180 MIL dias??? O Segredo??? Memórias Póstumas da Moralidade Administrativa???

                    Bom... Nomes para os livros temos aos montes, difícil será atribuir a autoria a uma única administração, já que essa falta de compromisso com o povo se tornou tão comum em nossa cidade...


Acorda Brasil, Acorda Limeira!!!
 
Quinca
 

segunda-feira, 22 de março de 2010

Aos Heróis do Meu Tempo...


Ao acaso, deparo-me com toda essa incoerência que nos rodeia e me pergunto onde estão os super-heróis de nosso tempo... Dia após dia nos vemos mais dependentes dessa figura isenta de personalidade, mas repleta de capacidades sobrehumanas... Não conseguimos definir um perfil, ou mesmo ou rosto para estes destemidos heróis, que tendem a se renovar com o passar das gerações, mas todos nós sabemos que eles devem ser dotados daquilo que não se encontra no homem comum, como por exemplo o amor ao próximo, senso de justiça, comprometimento com as causas sociais, vontade de mudar o mundo, etc.. De qualquer forma, buscamos modelos surreais sobre a ótica do mundo atual, justamente pela inexistência de valores morais contundentes e maciços.



Eu falo do mundo em que vivemos, ou melhor, que sobrevive a nós. É gritante a falta de práticas relevantes para manutenção da vida, bem como é latente o despropósito com que o “ser” humano conduz suas ações neste globo. Não consigo entender o sentido de algumas coisas, como porque não ratificar um tratado como o de Kyoto ou o Tribunal Penal Internacional. Não consigo entender, por exemplo, porque a igreja é tão forte e ao mesmo tempo tão fraca... Não consigo entender como num país como o nosso há tanta gente passando fome. Não consigo achar explicação pra muitas coisas grandes, mas ao mesmo tempo tão pequenas diante do poder que possuímos. Da mesma forma, não consigo achar explicações para quem nega um pedaço de pão, para quem não oferece seu lugar num ônibus ou para quem sequer tem a decência de assumir um erro.


É nesse cenário que a figura irrefragável do Super-Herói se cria. São homens e mulheres que se destacam por suas atitudes inovadoras, destemidas e extremamente desvairadas. Estes papéis são exercidos por pessoas com capacidades além daquelas que nascem com o ser-humano, privilégio de poucos. O Super-Herói do meu tempo não usa máscara, mas ninguém o enxerga quando não está a fazer uma atitude nobre. Ele, ou ela, não veste capa, nem pode voar, mas suas atitudes são dotadas de tanta coragem que, se repararmos bem, podemos ver que ele está num plano acima do nosso. Não tem visão de raio-x, mas enxerga longe, principalmente quando longe está alguém precisando de ajuda.


Como diria Jorge Versillo: “hoje o herói aguenta o peso das compras do mês...” E é sob este prisma que quero detalhar o herói do meu tempo. Vejo um herói em cada pai ou mãe de família que ganha pouco, mas que não deixa que isso destrua a felicidade de seus filhos. Vejo um super-herói em cada mãe e pai solteiros que batalham pela vitória de sua prole. O Herói do meu tempo está nas casas, nas empresas, nas igrejas e naus ruas, eles pagam impostos, além de matar um leão por dia.


Não me cabe julgar os vilões de meu tempo, por isso prometo não falar de política, roubalheira, criminalidade, ou correlatos... Mas, sobretudo, quero ressaltar a existência de pessoas que ainda lutam contra tudo isso. Todo super-herói depende de seu arqui-inimigo, pois um justifica a existência do outro. O que pretendo aqui é ressaltar a possibilidade de superação humana, que nos leva a criação destes personagens que estão muito mais próximos do que realmente imaginamos. O super-herói do meu tempo vive em mim, no meu vizinho, amigo, etc.. Ele se forma após um muito obrigado bem ofertado... Ele se fortalece nas pequenas atitudes, que não estão ligadas a lutar contra o crime, mas contra o preconceito, contra o comodismo e contra velhos paradigmas, capazes de tornar esse mundo menor do que relamente é...


O super-herói do meu tempo vive em nós, e não precisa de super-poderes para ser super, assim como não precisa de fama para ser herói, basta coragem, amor e um pouquinho só de comprometimento com a vida...
QUINCA
video